Município Peso da Régua

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Moura Morta

Capela

As origens da freguesia de Moura Morta são muito antigas, estando inscrita nos anais da história como lugar de muita importância na região. Diz-se que o nome desta freguesia derivou da lenda de uma princesa moura, assassinada neste lugar pelos Templários, por se recusar a negar a sua fé e abraçar a fé cristã.

É provável que os Templários tenham estado em Moura Morta até 1319, altura em que D. Diniz, por ordem do Papa Clemente V, dissolveu a Ordem de Malta. Nessa altura, esta freguesia englobava os lugares que pelo lado nascente se estendiam até Ariz, os quais lhe foram desanexados, dando origem à freguesia de Loureiro.

Situada nas encostas da serra do Marão, ostenta ruínas da Casa da Ordem de Malta, bem como da Câmara e da Cadeia, vestígios de um passado marcado por autoridade e poder. Aqui, o turista poderá ainda visitar a Igreja Matriz, a casa da Comenda (séc. XVIII), a Ponte Medieval de Cavalar e o cruzeiro centenário. Moura Morta foi vila e concelho, com foral de D. Manuel em 1514.

 

 

Heráldica

Brasão: escudo de prata, com três cômoros de verde, o do centro encimado por um crescente voltado, de vermelho, moventes de uma campanha ondada de prata e azul de quatro tiras; em chefe, cruz da Ordem de Cristo, à dextra e cruz da Ordem de Malta, contornada de vermelho, à sinistra. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a negro: "MOURA MORTA - PESO da RÉGUA".

Brasão de Moura Morta

 

 

 

 

 

 

 

 

Vinhós

Vinhós

Vinhós foi desanexada da freguesia de Sedielos, em 11 de Dezembro de 1935, pelo Decreto-Lei n.º 23551, publicado no Diário do Governo 1.ª Série, n.º 282. O povoamento de Vinhós remonta aos princípios da nacionalidade. A povoação aparece mencionada nas inquirições de 1258.

A freguesia de Vinhós situa-se nas fraldas da serra do Marão, sendo o lugar da Ermida o mais abrupto, onde fica a célebre “Fraga da Ermida”, onde a águia real faz o ninho. Este facto serviu de argumento a um dos romances de Guedes de Amorim, cujo título era “Aldeia de Águias”, publicado em 1939. A Igreja Matriz, cuja construção data de 1739, merece uma visita.

 

Heráldica

Brasão: escudo de prata, águia de negro, bicada de ouro e animada de vermelho, assentada em ninho do mesmo; em chefe, duas arruelas, a da dextra de púrpura e a da sinistra de negro e, em campanha, monte de dois cômoros de verde, movente da ponta. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: «VINHÓS - PESO da RÉGUA».

Brasão de Vinhós

 

 

 

 

 

 

 

 

Heráldica da União das Freguesias de Moura Morta e Vinhós

Brasão: Escudo de prata (do escudo de Moura Morta e do escudo de Vinhós); Coroa Mural de prata de quatro torres, com base no foral novo de D. Manuel I; Listel branco, com a legenda a negro: “União das Freguesias de Moura Morta e Vinhós”; Bandeira esquartelada de vermelho e branco, cordão e borlas de prata e vermelho, haste e lança de ouro (da bandeira de Moura Morta); Motivos: cruz das Ordens de Cristo e cruz da Ordem de Malta, águia no ninho, monte e burelas ondadas.

Brasão da União das Freguesias de Moura Morta e Vinhós